Pular para o conteúdo principal

Bruno J. Gimenes - A relação entre o sofrimento humano e a proteção energética.



Nada na vida pode oferecer maior capacidade de afetar o padrão energético das pessoas quanto o sofrimento emocional. O sofrimento  surge porque a mente humana analisa e julga cada situação, depois compara com suas crenças pessoais. Quando o resultado desse julgamento (quase sempre feito de forma inconsciente e automática) mostra aspectos nocivos, bem como a necessidade de reagir ao que se apresenta, a mente dispara pensamentos que provocam medo, tristeza, ansiedade, raiva, frustração, revolta, rebeldia, e por consequência surge o sofrimento puro e simples.
 A descarga energética que a aura humana recebe com o aparecimento do sofrimento é muito intensa e significativa, o que além de produzir um campo magnético nocivo, que posteriormente atrairá mais acontecimentos de sofrimento, também promoverá sensações desagradáveis, bem como abalo nas forças vitais da pessoa. Em outras palavras, o sofrimento humano é o veneno que intoxica o corpo, a mente e o espírito.
Seria possível aprendermos a diminuir os estados constantes de sofrimento se estivéssemos mais conectados com a Fonte Maior, mas infelizmente ainda temos muito que aprender sobre isso, e assim seguimos sendo vampirizados espiritual e energeticamente porque agimos de forma errada e não temos consciência sobre os nossos papeis nesta experiência física.
TODAS AS SITUAÇÕES, PROBLEMAS A ACONTECIMENTOS, SÃO CAMPOS DE ENERGIA
Vivemos dentro de campos de energias invisíveis aos olhos humanos, os quais são magnetizados com o produto de tudo que pensamos e sentimos. Esses campos afetam os campos vizinhos, com intensidade mais ou menos elevada, de acordo com a afinidade entre as fronteiras.
Por ação da lei da atração magnética, também atraímos para cada sistema de vida, fatos, situações, coisas, acontecimentos, pessoas que estejam na mesma sintonia e por isso estamos o tempo todo trocando energias em movimentos constantes de dar e receber. E nesse processo de trocas energéticas constantes, sempre que nos deparamos com uma coisa qualquer, pessoa ou pessoas, acontecimentos, locais, trocamos energias.
"Quando corpos se unem, depois deste encontro, energeticamente jamais serão os mesmos" 
Analisando desta forma, não temos como negar que no universo tudo está interligado e que mesmo que ilusoriamente tentemos nos afastar dos problemas alheios, ainda sim não temos como. A nossa única saída é aprender a melhorar o que essencialmente somos, porque assim saberemos renovar as nossas energias sempre que nos permitirmos (por conta do nosso padrão energético desequilibrado), sermos afetados energeticamente).
Perceba que o termo mais correto não seria obsessão ou ataque, pois ninguém está nos atacando, afinal estamos magnetizando o que chamamos de ataque. Então os termos mais corretos, dentro deste contexto seriam influência, retorno ou talvez compensação do sistema energético.
Precisamos entender que trocamos energia com tudo e com todos, mas o que determina a nosso equilíbrio e vitalidade é a forma como permitimos que isto aconteça: escolhemos a sintonia. Todavia sabemos que os ataques (compensações energéticas do sistema) acontecem com muita frequência.
A partir deste momento, convidamos você a analisar todo processo de sofrimento, excesso de perda energética ou influência nociva como compensações energéticas do sistema). Se você compreender bem esse aspecto, temos certeza que você perceberá a causa raiz do sofrimento humano: as desconexão.
Bruno J. Gimenes*

Conheça mais o Bruno J. Gimenes acessando:

** Conheça também Luz da Serra: 
www.luzdaserra.com.br/

Postagens mais visitadas deste blog

Jefferson L. Orlando: A mudança acontece de dentro para fora...

A tão esperada virada do jogo começa dentro de nós, para só assim então, colocarmos ela em prática para fora em nossas atitudes e ações.
Não existe mudança verdadeira, quando a atitude parte somente de fora.
Não se engane querendo mostrar atitudes externas que não condizem com as internas, quando o silêncio da noite chegar e no seu íntimo você acessar, no mesmo momento irá saber que tem algo ai dentro que não mudou.
Para mudar é preciso coragem, determinação, foco, objetivo, garra e principalmente a tão esperada mudança nos padrões de pensamentos.
Se acostumar com os pensamentos a que vem tendo desde criança até hoje é fácil, não precisar mudar nada e chega a ser cômodo. Sair da zona de conforto às vezes é crucial, mas quase ninguém quer sair do conforto de não precisar colocar as mãos na massa da transformação.
A zona de conforto, não é necessariamente uma área em que a pessoa esteja vivendo uma vida ótima, com um excelente emprego, uma família equilibrada, um feliz relacionamento amoroso…

Alexander Eben - Neurocirurgião que volta após o coma e se convence que há vida após a morte.

O Fantástico conta uma história do além! Um neurocirurgião americano nunca acreditou em vida após a morte até passar por uma experiência dramática. Ele entrou em coma profundo, teve visões de uma espécie de paraíso, e voltou convencido de que existe vida do outro lado. O que existe depois que a vida acaba? Para o neurocirurgião Alexander Eben, a morte sempre significou o fim de tudo. Ele entende do assunto: foi professor da escola de medicina de Harvard, nos Estados Unidos, e há mais de 25 anos estuda o cérebro. Sempre tinha uma explicação científica para os relatos dos pacientes que voltavam do coma com histórias de jornadas fora do corpo para lugares desconhecidos. Até que ele próprio vivenciou uma delas. E agora afirma: existe vida após a morte.
Era 10 de novembro de 2008. O doutor Alexander é levado às pressas para o hospital, com fortes dores de cabeça. Ao chegar lá, é imediatamente internado na UTI. Em poucas horas já estava em coma profundo. Ele havia contraído uma forma rara de me…

Dr. Rogério Brandão - Saudade é o amor que fica!

Como médico cancerologista, já calejado com longos 29 anos de atuação profissional (...) posso afirmar que cresci e modifiquei-me com os dramas vivenciados pelos meus pacientes. Não conhecemos nossa verdadeira dimensão até que, pegos pela adversidade, descobrimos que somos capazes de ir muito mais além.

Recordo-me com emoção do Hospital do Câncer de Pernambuco, onde dei meus primeiros passos como profissional... Comecei a freqüentar a enfermaria infantil e apaixonei-me pela oncopediatria. Vivenciei os dramas dos meus pacientes, crianças vítimas inocentes do câncer. Com o nascimento da minha primeira filha, comecei a me acovardar ao ver o sofrimento das crianças.

Até o dia em que um anjo passou por mim! Meu anjo veio na forma de uma criança já com 11 anos, calejada por dois longos anos de tratamentos diversos, manipulações, injeções e todos os desconfortos trazidos pelos programas de químicos e radioterapias. Mas nunca vi o pequeno anjo fraquejar. Vi-a chorar muitas vezes; também vi medo…