Pular para o conteúdo principal

Frank Oliveira - O Surfista da Escuridão.


Diga que energia vem de você e direi quem tu és...nem sempre é tão simples assim. 

Se não há duvidas em relação ao perfume de sândalos nas aparições dos Devas ou na fragrância das mirras nas festas do divino dos Santos Reis, eis que numa meditação muita intensa, senti que minha tela mental se abria e ao invés do verde-esmeralda com tons dourados das freqüências do astral alto, surgiu cores vermelhas e pretas tão umbralinas quanto as ondas de funk vindo do quintal do vizinho. 

Junto com tais cores de animar flamengueses e fazer tremer evangélicos, veio também um cheiro podre e uma onda de sentimentos muitos ruins, bem malévolos; que arrepiava a alma e me fez abrir o evangelho de preces memorizadas para me defender do perigo de atrair sem querer, com as minhas práticas, energias densas, cobras mal-criadas que viessem atrapalhar meu trabalho de luz, meu estudo da luz da alvorada. 

Se não era o diabo em pessoa, era o emissário; armei-me com tudo o que pude, escudos dos mais diversos levantei e gritei: " Auto lá, eparrei! Que esse corpo é fechado e essa casa segue a lei dos trabalhos espirituais do Cristo, meu Rei." 

E a criatura olhou me do alto da sua envergadura, olhos em chamas e peito nú, parecia um negrão, mas era um escuro para lá de hindu. Trazia um tridente nas mãos, mas não era Shiva nem tão pouco o tal do danado do " Cão"; nos pés, além de sandálias, havia uma espécie de tábua, onde ele apoiava os pés, como se surfasse naquelas ondas do mal. Ele, então, falou: " Pensei que você era espiritualista, buscador de todas as esferas, incluindo as cinzas. Mas percebo que me enganei, você ainda é um frangote, não sabe ver além das aparências, nem filtrar o que percebe além do que te dizem as suas ventas."

A voz dele tinha som de trovão e era tão ou mais ameaçadora que os esturros de um tigre. Dava medo de ouvir, mas eu precisava escutar: 

" Os anjos estão nas alturas onde estão, os santos em seus altares; aqui embaixo é exu que libera as almas dos corpos, é exu que tira a desarmonia dos lares. Não nos vestimos de águia, nem nos disfarçamos de sábias corujas; somos os urubus da vida, rasgando as carnes do ego que não enxerga a verdade mais pura. Se engana quem passa pelas portas e não vê nada mais que madeira e ferro, pois estamos em cada porta e nesse plano, somos quem revela os mistérios. Então, vagamundo da Terra, se você quiser mesmo descobrir o que há além dela, terá que ter a nossa permissão ou nunca conseguirá sentir nada além daquilo que você carrega entre as pernas." 

E assim, o Surfista da Escuridão se foi deixando um rastro de luz na minha consciência, além de uma vergonha danada por não reconhecer quem trabalha para a luz, mesmo com tantos anos de estudo de estrada. 

Frank Oliveira*

* Frank Oliveira é o pseudônimo de Francisco de Oliveira (Escritor), outros textos podem ser acessados em seu blog: www.cronicasdofrank.blogspot.com

Site no Portal Somos Todos Um: www.stum.com.br/st13651
Canal Sol do Everest: www.youtube.com/soldoeverest

Postagens mais visitadas deste blog

Jefferson L. Orlando: A mudança acontece de dentro para fora...

A tão esperada virada do jogo começa dentro de nós, para só assim então, colocarmos ela em prática para fora em nossas atitudes e ações.
Não existe mudança verdadeira, quando a atitude parte somente de fora.
Não se engane querendo mostrar atitudes externas que não condizem com as internas, quando o silêncio da noite chegar e no seu íntimo você acessar, no mesmo momento irá saber que tem algo ai dentro que não mudou.
Para mudar é preciso coragem, determinação, foco, objetivo, garra e principalmente a tão esperada mudança nos padrões de pensamentos.
Se acostumar com os pensamentos a que vem tendo desde criança até hoje é fácil, não precisar mudar nada e chega a ser cômodo. Sair da zona de conforto às vezes é crucial, mas quase ninguém quer sair do conforto de não precisar colocar as mãos na massa da transformação.
A zona de conforto, não é necessariamente uma área em que a pessoa esteja vivendo uma vida ótima, com um excelente emprego, uma família equilibrada, um feliz relacionamento amoroso…

Alexander Eben - Neurocirurgião que volta após o coma e se convence que há vida após a morte.

O Fantástico conta uma história do além! Um neurocirurgião americano nunca acreditou em vida após a morte até passar por uma experiência dramática. Ele entrou em coma profundo, teve visões de uma espécie de paraíso, e voltou convencido de que existe vida do outro lado. O que existe depois que a vida acaba? Para o neurocirurgião Alexander Eben, a morte sempre significou o fim de tudo. Ele entende do assunto: foi professor da escola de medicina de Harvard, nos Estados Unidos, e há mais de 25 anos estuda o cérebro. Sempre tinha uma explicação científica para os relatos dos pacientes que voltavam do coma com histórias de jornadas fora do corpo para lugares desconhecidos. Até que ele próprio vivenciou uma delas. E agora afirma: existe vida após a morte.
Era 10 de novembro de 2008. O doutor Alexander é levado às pressas para o hospital, com fortes dores de cabeça. Ao chegar lá, é imediatamente internado na UTI. Em poucas horas já estava em coma profundo. Ele havia contraído uma forma rara de me…

Dr. Rogério Brandão - Saudade é o amor que fica!

Como médico cancerologista, já calejado com longos 29 anos de atuação profissional (...) posso afirmar que cresci e modifiquei-me com os dramas vivenciados pelos meus pacientes. Não conhecemos nossa verdadeira dimensão até que, pegos pela adversidade, descobrimos que somos capazes de ir muito mais além.

Recordo-me com emoção do Hospital do Câncer de Pernambuco, onde dei meus primeiros passos como profissional... Comecei a freqüentar a enfermaria infantil e apaixonei-me pela oncopediatria. Vivenciei os dramas dos meus pacientes, crianças vítimas inocentes do câncer. Com o nascimento da minha primeira filha, comecei a me acovardar ao ver o sofrimento das crianças.

Até o dia em que um anjo passou por mim! Meu anjo veio na forma de uma criança já com 11 anos, calejada por dois longos anos de tratamentos diversos, manipulações, injeções e todos os desconfortos trazidos pelos programas de químicos e radioterapias. Mas nunca vi o pequeno anjo fraquejar. Vi-a chorar muitas vezes; também vi medo…