Pular para o conteúdo principal

Wagner Borges - O BUDA E O BOBO (O Amor em Silêncio)


A primeira vez em que vi Você, eu não estava preparado.

Porque eu imaginava que só um grande mestre é que poderia vê-lo.

E, no entanto, ali estava Você, bem na minha frente, como um velho amigo.

Ah, meu amigo, eu sempre pensei que o seu olhar fosse abrasador.

Mas, Você me olhou de forma tão pura, como quem olha para uma criança.

E dos seus olhos emanava uma doçura sem igual, serena e lúcida.

E isso me assustou. Porque eu era imaturo para compreender a sua simplicidade.

E minha mente estava cheia de conceitos sobre como Você era o Iluminado.

Por isso me choquei; porque a sua profundidade estava na sua simplicidade.

Porque Você veio como um amigo querido, não como um mestre.

E não havia devas* voando à sua volta. Só havia Você e seu Amor silencioso.

Eu era tão imaturo! E Você sabia – e, mesmo assim, Você me compreendeu.

Eu queria ter um samadhi!** Mas as estrelas que vi estavam em seus olhos.

E eu, bobo, não tive coragem de receber o seu presente, e corri assustado.

Porque, só de ver Você já era um presente.

Mas eu não aguentei o seu Amor em mim.

E fugi, com o coração despedaçado... E gritei perdido na noite de mim mesmo.

E Você se foi, pois sabia que ainda não era a hora, e que o tempo acertaria tudo.

E, depois, eu me envergonhei tanto. E voltei, mas Você já tinha ido embora.

Então prometi a mim mesmo que cresceria e o encontraria novamente, algum dia...

E o tempo passou, como sempre faz... E eu estou aqui, lembrando-me de Você.

Lembrando-me do seu olhar doce. E de como eu era bobo e imaturo, e não sabia.

Hoje, é outro tempo, em outra vida, e eu ainda sou bobo, mas agora eu sei disso!

E, em várias ocasiões, eu senti o Seu Abraço silencioso, por entre os planos...

Sim, eu senti o seu Amor - e também vi Você abraçando secretamente o mundo.

E meu coração sentiu como Você absorvia a dor de muitos - e os abençoava...

E de como Você transformava o sofrimento da humanidade em pétalas de luz.

E depois as fazia choverem, invisivelmente, no mundo dos homens tristes.

Ah, meu amigo, eu ainda sou aquele bobo de antes, mas agora eu não tenho medo.

Talvez eu tenha melhorado um pouco, não sei, mas Você sabe. E eu sinto Você...

Como agora, quando o meu coração me mostra o seu doce olhar - entre os planos...

E eu Vejo, em espírito, miríades de seres sendo abençoados dentro desse olhar.

E eu não corro mais, nem quero samadhi algum - nem preciso que Você venha aqui.

Porque Você está dentro do meu coração. Sempre esteve... Apenas eu não sabia.

E naquela vida, lá atrás, Você deve ter rido muito quando eu corri com medo.

E hoje, eu mesmo rio tanto disso... E, mesmo ainda sendo bobo, eu compreendo.

Ah, meu amigo, eu vejo o seu olhar sereno, e continuo me sentindo igual criança.

Então, eu saio na varanda e olho o céu noturno da cidade, que está nublado.

Mas eu vejo estrelas, sei lá como. E elas estão dentro do meu coração.

E eu fico quietinho, pensando em Você abraçando e abençoando a humanidade.

Sim, eu fico quietinho, orando em silêncio e pegando uma carona com Você.

E vou olhando o mundo, como o Amor olha... Em silêncio, serenamente.

Ah, Buda, eu não corro mais! Agora eu viajo junto na doçura do Seu Olhar...

E o céu fica lindo, cheio de estrelas, porque eu vejo pétalas de luz caindo...

E eu fico aqui, com o Seu Olhar refletido nos meus olhos, na cheia do Amor...

Enquanto Você absorve a dor do mundo e faz chover pétalas de luz secretamente.


P.S.:
Ah, Buda, eu ainda sou bobo, Você sabe.
Mas Você me olhou como um velho amigo.
E, agora, mesmo bobo, eu compreendo.
Iluminação é Amor consciente!
Amor que abraça.
Que nada julga.
Que ama serenamente.
E que compreende os bobos que correm...
Ah, Buda, Você deve ter rido tanto.

(Dedicado aos mentores espirituais, de todas as linhas, que viajam por entre os planos, em meio às pétalas de luz que descem do céu, sempre ajudando a todos, sem aparecer, por obra e graça de um Grande Amor.)

Om Mani Padme Hum!***

Com Gratidão.
Paz e Luz.

- Wagner Borges * – ainda bobo, mas melhorando... Sempre!

- Notas:
* Devas – do sânscrito – divindades; seres de luz; anjos; seres celestes.
** Samadhi – do sânscrito - expansão da consciência; estado de consciência cósmica.
*** Om Mani Padme Hum - do sânscrito - sua tradução literal é: “Salve a jóia no lótus”. Esse é um mantra de evocação do boddhisattva da compaixão entre os budistas tibetanos e chineses. Om é a vibração do TODO. Mani é a "Jóia espiritual que mora no coração"; ou seja, é o próprio Ser, a essência divina. Padme / Lótus é o chacra cardíaco que envolve, energeticamente, essa jóia sutil. Hum é a vibração dessa compaixão do TODO vertendo a luz pelo chacra cardíaco em favor de todos os seres.
Esse mantra é mais conhecido como o "mantra da compaixão". É um dos mantras mais poderosos que conheço. Pode ser concentrado, mentalmente, dentro do peito – como se a voz mental estivesse reverberando ali –, ou dentro de qualquer um dos chacras que a pessoa desejar ativar. No entanto, o melhor lugar para ele é realmente o chacra cardíaco, pois o que chega ali é distribuído para todo o corpo, pela circulação do sangue comandada pelo coração, e também a todos os outros chacras do corpo energético.
O chacra frontal, na testa, também é excelente para a prática desse mantra, pois o que chega nele é distribuído ao longo da coluna pelos nádis – condutos sutis de transporte energético pelo sistema –, e comunicado a todos os outros chacras abaixo dele. Esse é o motivo pelo qual vários mestres iogues sempre aconselham aos seus discípulos iniciar alguma prática bioenergética por ele.
Um livro excelente sobre isso é o do pesquisador iogue japonês Hiroshi Motoyama, "Teoria dos Chacras", pela Editora Pensamento.
Eis alguns CDs maravilhosos que contêm esse mantra:
- Laíze, com a participação de Áurio Corrá nos teclados e arranjos - CD. "OM", pela Gravadora Lua Music – Brasil - A segunda faixa desse disco é um canto de amor e faz um bem enorme ao chacra cardíaco. É amor em forma de ondas sonoras.
- CD. "Tibetan Incantations - The Meditative Sound of Buddhist Chants", pela Gravadora Music Club, Série 50050 – England - A segunda faixa é de uma profunda alegria e melhora o humor do ouvinte. É alegria em forma de ondas sonoras. A terceira música é o mantra Om Mani Padme Hum cantado a capela pelos monges tibetanos. Esse álbum tem 74 minutos de música.
- CD. "Six-Word Mantra of Avalokitesvara - The Avalokitesvara Boddhisattva Dharma Door Vol. ll", pela Gravadora Wind Records, Série TCD – 2109 – E.U.A. - Esse CD foi feito por músicos chineses e direcionado para a cura de órgãos internos pelo mantra Om Mani Padme Hum. Entretanto, como a pronúncia é chinesa, o mantra fica Om Mani Pa Me Hung. Seu efeito é bem forte. Nesse trabalho, o lance é mais de energia do que de amor. É vitalidade em ondas sonoras.
- Beijing Central Juvenile Chorus - CD. "Wingsong of The Lotus World", pela Gravadora Wind Records, Série TCD – 2152 – E.U.A. - Esse disco é cantado por um coro juvenil chinês. Aqui o Avalokitesvara, criador do mantra Om Mani Padme Hum – representado pelos chineses na figura da Deusa da compaixão "Kuan-Yin" –, é reverenciado em um belo canto que encanta o coração do ouvinte sensível. Esse disco é paz em ondas sonoras.
- Buedi Siebert – CD. “Om Mani Padme Hum”, pela Gravadora Real Music, Série RM – 4040 – E.U.A. – Esse CD contém diversas versões do mantra Om mani Padme Hum. É excelente para momentos de prece, práticas meditativas, práticas de Ioga e momentos de inspiração e conexão espiritual.
- Fan Li-bin – CD. “Sound From the Cosmos”, pela Gravadora Wind Records, Série TCD – 2112 – E.U.A. – Nesse trabalho de fortes vibrações, Fan Li-bin, vocalista nascido em Taiwan e exímio praticante de mantras, procurou realizar uma conexão espiritual do mantra Om Mani Padme Hum com os chacras. Aqui a pronúncia do mantra é cantada como Om Ma Ni Pa Mei Hum.
- Craig Pruess – CD. “Sacred Chants of Buddha”, pela Gravadora Heaven on Earth Music, Série HOEM – 12 – England – A terceira faixa deste CD é uma versão do mantra Om Mani Padme Hum elaborada para profundo relaxamento psicofísico.

☼ Wagner Borges – nascido no Rio de Janeiro em setembro de 1961 – é pesquisador espiritualista, projetor extrafísico, conferencista, consultor da Revista UFO e colaborador de várias outras revistas como, Sexto Sentido, Espiritismo e Ciência, Revista Cristã de Espiritismo, Caminho Espiritual, e também do Jornal O Legado.
É escritor - autor de onze livros dentro da temática projetiva e espiritual, dentre eles a série “Viagem Espiritual”, sobre as experiências fora do corpo.
É colunista de vários sites na Internet: SomosTodosUm -www.somostodosum.com.br, Revista Sexto Sentido:www.revistasextosentido.net/wagner-borges/, IPPB:www.ippb.org.br, dentre outros.
É radialista – apresentador do programa “Viagem Espiritual”, na Rádio Mundial de São Paulo – 95.7 FM.

Para ver vídeos e ouvir áudios do Wagner Borges, acesse sua sessão em nosso Exclusivo Canal Sol do Everest no Youtube - www.youtube.com/playlist?list=PLFC3C6B292A9EE691
Site no Portal Somos Todos Um: www.stum.com.br/st13651
Canal Sol do Everest: www.youtube.com/soldoeverest

Postagens mais visitadas deste blog

Jefferson L. Orlando: A mudança acontece de dentro para fora...

A tão esperada virada do jogo começa dentro de nós, para só assim então, colocarmos ela em prática para fora em nossas atitudes e ações.
Não existe mudança verdadeira, quando a atitude parte somente de fora.
Não se engane querendo mostrar atitudes externas que não condizem com as internas, quando o silêncio da noite chegar e no seu íntimo você acessar, no mesmo momento irá saber que tem algo ai dentro que não mudou.
Para mudar é preciso coragem, determinação, foco, objetivo, garra e principalmente a tão esperada mudança nos padrões de pensamentos.
Se acostumar com os pensamentos a que vem tendo desde criança até hoje é fácil, não precisar mudar nada e chega a ser cômodo. Sair da zona de conforto às vezes é crucial, mas quase ninguém quer sair do conforto de não precisar colocar as mãos na massa da transformação.
A zona de conforto, não é necessariamente uma área em que a pessoa esteja vivendo uma vida ótima, com um excelente emprego, uma família equilibrada, um feliz relacionamento amoroso…

Alexander Eben - Neurocirurgião que volta após o coma e se convence que há vida após a morte.

O Fantástico conta uma história do além! Um neurocirurgião americano nunca acreditou em vida após a morte até passar por uma experiência dramática. Ele entrou em coma profundo, teve visões de uma espécie de paraíso, e voltou convencido de que existe vida do outro lado. O que existe depois que a vida acaba? Para o neurocirurgião Alexander Eben, a morte sempre significou o fim de tudo. Ele entende do assunto: foi professor da escola de medicina de Harvard, nos Estados Unidos, e há mais de 25 anos estuda o cérebro. Sempre tinha uma explicação científica para os relatos dos pacientes que voltavam do coma com histórias de jornadas fora do corpo para lugares desconhecidos. Até que ele próprio vivenciou uma delas. E agora afirma: existe vida após a morte.
Era 10 de novembro de 2008. O doutor Alexander é levado às pressas para o hospital, com fortes dores de cabeça. Ao chegar lá, é imediatamente internado na UTI. Em poucas horas já estava em coma profundo. Ele havia contraído uma forma rara de me…

Dr. Rogério Brandão - Saudade é o amor que fica!

Como médico cancerologista, já calejado com longos 29 anos de atuação profissional (...) posso afirmar que cresci e modifiquei-me com os dramas vivenciados pelos meus pacientes. Não conhecemos nossa verdadeira dimensão até que, pegos pela adversidade, descobrimos que somos capazes de ir muito mais além.

Recordo-me com emoção do Hospital do Câncer de Pernambuco, onde dei meus primeiros passos como profissional... Comecei a freqüentar a enfermaria infantil e apaixonei-me pela oncopediatria. Vivenciei os dramas dos meus pacientes, crianças vítimas inocentes do câncer. Com o nascimento da minha primeira filha, comecei a me acovardar ao ver o sofrimento das crianças.

Até o dia em que um anjo passou por mim! Meu anjo veio na forma de uma criança já com 11 anos, calejada por dois longos anos de tratamentos diversos, manipulações, injeções e todos os desconfortos trazidos pelos programas de químicos e radioterapias. Mas nunca vi o pequeno anjo fraquejar. Vi-a chorar muitas vezes; também vi medo…