Pular para o conteúdo principal

Wagner Borges - Mátaji, Amparadora-Ananda - V*



(Viajando Espiritualmente com Mátaji no Olho do Furacão)

Ela surgiu bem no meio das ondas encapeladas...
Mais parecia uma deusa da serenidade em meio ao turbilhão.
Ela estava ali para socorrer os afogados de um naufrágio.
E, na medida em que eles desencarnavam, Ela os arrebatava para a Luz.
Um a um, Ela cuidou de todos, levando-os para a vida além da vida...
Enquanto a embarcação soçobrava nas águas abaixo, Ela os erguia, algures...
Ah, eu vi a Mãezinha serena agindo em nome do "Amor Que Ama Sem Nome".
E Ela era um pedacinho do céu, amando no meio das grandes vagas violentas...
Admirado, eu a vi abrindo um portal luminoso e passando para o plano extrafísico.
E, lá, Ela continuou cuidando dos espíritos que soltara da Terra pouco antes.
Alguns deles tremiam fortemente; outros choravam de medo.
E Ela chegava neles, de um a um, e os enchia de energia suave e curativa.
Silenciosa, Ela os esclarecia em pensamento, explicando-lhes que estavam bem.
Com a paciência de uma mãe, Ela os embalava na Luz do esclarecimento espiritual.
E, gradativamente, eles dormiam em seus braços, nas asas do sono regenerador.
E quando Ela cuidou de todos eles, eu a vi orando, quietinha, agradecendo ao Alto.
Então, houve um clarão de luz branca e eu fui tracionado para dentro do corpo.
Caí dentro da matéria com um solavanco forte e voltei ao plano físico**.
E, ali, sentado na cama, no escurinho da noite, eu não aguentei e chorei...
E os meus olhos viraram cascatas na cheia do Amor que vi n’Ela.
Porque não se fica incólume emocionalmente vendo uma assistência de tal monta.
Não dá para segurar o Amor que se sente... o coração transborda...
Sim, eu chorei o pranto do espírito - que todo viajante extrafísico sadio passa.
E isso porque eu vi a ação serena de Mátaji nas lides da assistência espiritual.
E que honra ver, mais uma vez, a Mãezinha amorosa agindo no silêncio da Paz.
Enquanto o mar levou os corpos daquelas pessoas, Ela elevou os espíritos...
E, agora, talvez eles já estejam despertando lá na Casa das Estrelas.
E Ela deve estar ao lado deles, esclarecendo-os e guiando-os para novos rumos...
Sim, Ela deve estar com eles, por obra e graça do "Amor Que Ama Sem Nome".
E, aqui, no meio da noite, eu também oro e fico pensando na Luz.
Ah, essas lágrimas que não param... Coisa de viajante espiritual...
(É só o Amor que nos leva...)***

Mátaji, querida Mãezinha, muito obrigado.
Om Kriya Mátaji Namah!

Gratidão.
Paz e Luz.

- Wagner Borges - viajante espiritual e aprendiz do Todo.
São Paulo, 29 de novembro de 2012.

Para ver vídeos e ouvir áudios acesse a sessão do Wagner Borges em nosso Exclusivo Canal Sol do Everest no Youtube - www.youtube.com/playlist?list=PLFC3C6B292A9EE691 

Canal Sol do Everest: www.youtube.com/soldoeverest 

- Notas:
* Mátaji - do sânscrito - é a irmã do mestre Bábaji. Como seu irmão, ela também ajuda a humanidade invisivelmente. Trata-se de uma iogue extrafísica que vela secretamente pelo mundo. Trabalha na frequência espiritual da Mãe Divina.
Resumindo: ela é pura compaixão silenciosa.
Em Kriya-Yoga, o seu mantra evocativo é: Om Kriya Mátaji Namah (pronuncia-se exatamente como está escrito).
Sugiro aos leitores que concentrem mentalmente esse mantra dentro do chacra cardíaco por alguns minutos, enquanto elevam os pensamentos ao "Amor Maior que Gera a Vida". Meditem suavemente nele e abram o coração às vibrações da compaixão incondicional. E pensem no bem de toda a humanidade, física e extrafísica. Se houver a sintonia adequada, talvez Ela chegue nas dobras sutis do coração espiritual e realize o milagre do Amor viajando serenamente nas praias das consciências que laboram na espiritualidade e que, mesmo vivendo dias tão tumultuados na Terra, ainda são capazes de abrir suas frequências às ondas do Amor silencioso.
Obs.: As quatro partes anteriores desse texto já foram postadas pelo site do IPPB e podem ser acessadas nos seguintes endereços específicos:
Partes I e II -
Parte III -
Parte IV -
** Projeção da consciência - é a capacidade parapsíquica - inerente a todas as criaturas -, que consiste na projeção da consciência para fora de seu corpo físico.
Sinonímias: Viagem astral - Ocultismo.
Projeção astral - Teosofia.
Projeção do corpo psíquico - Ordem Rosacruz.
Experiência fora do corpo - Parapsicologia.
Viagem da alma - Eckancar.
Viagem espiritual - Espiritualismo.
Viagem fora do corpo - Diversos projetores extrafísicos e autores.
Emancipação da alma (ou desprendimento espiritual) - Espiritismo.
Arrebatamento espiritual - autores cristãos.
*** Enquanto eu digitava essas linhas, rolava aqui no som o belo CD "Poa" - da banda italiana de rock progressivo Blocco Mentale. Inclusive, a música "Verde" (faixa 7) é uma peça que me emociona desde a adolescência. E para quem quiser ouvi-la, basta acessar o seguinte link específico do site do Youtube:
http://www.youtube.com/watch?v=qX3khIJGiC4  

Postagens mais visitadas deste blog

Jefferson L. Orlando: A mudança acontece de dentro para fora...

A tão esperada virada do jogo começa dentro de nós, para só assim então, colocarmos ela em prática para fora em nossas atitudes e ações.
Não existe mudança verdadeira, quando a atitude parte somente de fora.
Não se engane querendo mostrar atitudes externas que não condizem com as internas, quando o silêncio da noite chegar e no seu íntimo você acessar, no mesmo momento irá saber que tem algo ai dentro que não mudou.
Para mudar é preciso coragem, determinação, foco, objetivo, garra e principalmente a tão esperada mudança nos padrões de pensamentos.
Se acostumar com os pensamentos a que vem tendo desde criança até hoje é fácil, não precisar mudar nada e chega a ser cômodo. Sair da zona de conforto às vezes é crucial, mas quase ninguém quer sair do conforto de não precisar colocar as mãos na massa da transformação.
A zona de conforto, não é necessariamente uma área em que a pessoa esteja vivendo uma vida ótima, com um excelente emprego, uma família equilibrada, um feliz relacionamento amoroso…

Alexander Eben - Neurocirurgião que volta após o coma e se convence que há vida após a morte.

O Fantástico conta uma história do além! Um neurocirurgião americano nunca acreditou em vida após a morte até passar por uma experiência dramática. Ele entrou em coma profundo, teve visões de uma espécie de paraíso, e voltou convencido de que existe vida do outro lado. O que existe depois que a vida acaba? Para o neurocirurgião Alexander Eben, a morte sempre significou o fim de tudo. Ele entende do assunto: foi professor da escola de medicina de Harvard, nos Estados Unidos, e há mais de 25 anos estuda o cérebro. Sempre tinha uma explicação científica para os relatos dos pacientes que voltavam do coma com histórias de jornadas fora do corpo para lugares desconhecidos. Até que ele próprio vivenciou uma delas. E agora afirma: existe vida após a morte.
Era 10 de novembro de 2008. O doutor Alexander é levado às pressas para o hospital, com fortes dores de cabeça. Ao chegar lá, é imediatamente internado na UTI. Em poucas horas já estava em coma profundo. Ele havia contraído uma forma rara de me…

Dr. Rogério Brandão - Saudade é o amor que fica!

Como médico cancerologista, já calejado com longos 29 anos de atuação profissional (...) posso afirmar que cresci e modifiquei-me com os dramas vivenciados pelos meus pacientes. Não conhecemos nossa verdadeira dimensão até que, pegos pela adversidade, descobrimos que somos capazes de ir muito mais além.

Recordo-me com emoção do Hospital do Câncer de Pernambuco, onde dei meus primeiros passos como profissional... Comecei a freqüentar a enfermaria infantil e apaixonei-me pela oncopediatria. Vivenciei os dramas dos meus pacientes, crianças vítimas inocentes do câncer. Com o nascimento da minha primeira filha, comecei a me acovardar ao ver o sofrimento das crianças.

Até o dia em que um anjo passou por mim! Meu anjo veio na forma de uma criança já com 11 anos, calejada por dois longos anos de tratamentos diversos, manipulações, injeções e todos os desconfortos trazidos pelos programas de químicos e radioterapias. Mas nunca vi o pequeno anjo fraquejar. Vi-a chorar muitas vezes; também vi medo…