Pular para o conteúdo principal

Renato Soares Stella - A saga mediúnica do João (Um Mano Entre o Céu e a Terra)



Cena 1 - Tomada 3.

João, um desencarnado comum.
Humano comum em vida, humano comum após a passagem final...
João deseja se comunicar por algum médium* e, por isso, procura o departamento de treinamento de espíritos comunicantes da Colônia Extrafísica onde vive.
Lá, é atendido por uma moça chamada Joana.
- Pois não?
- Oi, meu nome é João. Vim aqui porque quero me comunicar com o pessoal lá embaixo.
- Veio ao lugar certo. É só escolher o seu arquétipo. Veja ali atrás. Cada porta é a sala de treinamento de um deles.
João se vira e vê várias portas, cada uma com uma placa com inscrições como, Exú, Pomba-Gira, Caboclo, Preto-Velho.
Coçando a cabeça, ele retoma o diálogo com a atendente...
- Hã, mas, que estranho...
- Já sei. Você tem preconceito com a Umbanda, né? Eu entendo.
- Não. Não é isso. É que eu pensava que poderia...
- Veja, tem outros também que você pode, desculpe o trocadilho, “incorporar”.
Têm o arquétipo de Comandante Ashtar Sheran, têm de alguém da equipe de Bezerra de Menezes, e também têm os arquétipos hindus e chineses. Ah, é claro, sem falar no Saint Germain e o pessoal da Fraternidade Branca, muito populares em certos círculos que eles chamam de new age.
- Mas não posso baixar sendo eu mesmo?
Percebendo que o rapaz era novato nesse processo, Joana, tomada por compaixão, retruca:
- Olha, poder, pode, né? Mas já vai ser difícil o médium aceita-lo, assim, de saída. E mesmo se conseguir, ainda vai ser difícil o pessoal lá embaixo querer lhe ouvir.
- Ué, mas por quê?
- Ué, digo eu. Você não sabe? O pessoal lá embaixo ainda espera algo fantástico na comunicação com os “desencarnados”. Não importa qual seja a sua história, se não aparecer como algum perfil que eles tenham expectativa e julgam importante, nem lhe ouvem. Gente como você aparece a toda hora por aqui...
Vão lá, quebram a cara e depois voltam para aprender os trejeitos, o tom de voz e a linguagem verbal e corporal dos arquétipos que os encarnados esperam encontrar aqui. E como o que interessa mesmo é que a mensagem seja dita e ouvida, o pessoal aqui já se acostumou e nem liga muito pra isso. É só mais um tipo de carência que os “vivos encarnados” ainda não se livraram.
Empolgada, a atendente toma um  fôlego profundo, para continuar enquanto observa João, que parece que perdeu o seu, estupefato com o que ouve:
- Ninguém lá daria crédito para um Exu que não fosse boca suja, nem a um preto-velho que não ficasse curvado, e sem sotaque, entende? Ficariam desconfiados, achando que é animismo** do médium. Eles transferem para cá o culto às aparências, que tanto distrai no plano físico. E como a maioria não é clarividente e não sente as energias, precisam desses elementos para ter certeza que estão frente à uma entidade “genuína” da linha que simpatizam.
Mesmo os “genuínos”, ou seja, o pessoal daqui que tem experiência nesses arquétipos, e, ao se apresentarem assim, ativam certos processos energéticos úteis, têm que moldar levemente o comportamento para serem aceitos lá. Se não eles mesmos correm o risco de serem ignorados. Imagina alguém comum como você. O pessoal lá acha que gente dita, comum, como eu e você, não tem nada a ensinar.
- Nossa! Mas que trabalheira.
- Pois é. E a expectativa não é só de quem vai ouvir a comunicação, não. Os próprios médiuns, muitos deles, também só se sentem a vontade se reproduzirem o padrão que aprenderam para cada tipo de entidade.
Completamente travado, João não consegue retrucar nada de inteligente, apenas balbuciar...
- Mas, caramba!
- Você nem sabe. Tem de tudo por aqui. Iniciado egípcio se apresentando como preto-velho, Caboclo se apresentando como médico em centro espírita, depois de novo como Caboclo em centro de Umbanda. Tem até gente “de fora” da Terra entrando nesse esquema. Aliás, têm um pessoal baixinho, magrinho, pele acinzentada e olhos grandes que se diverte brincando de preto-velho e desfilando sabedoria. Você precisa ver!
Além disso, muitos aqui que tiveram experiências em várias linhas espiritualistas em vidas passadas usam esse recurso. Têm gente que foi iniciada na antiguidade, depois, em outra vida, foi guerreiro; depois, médico, e que, puxando da memória, muda a forma e atua em várias casas diferentes, conforme o padrão esperado em cada uma.
Orgulhosa com a mini-palestra que deu ao rapaz e querendo terminar o papo, ela continua:
- E você? Não se lembra de alguma vida passada que possa ser aproveitada para criar sua representação? Isso facilitaria tudo.  
- Putz, ainda não. Faz pouco tempo que “descasquei”. Será que não poderia descer como eu mesmo?
Joana, já cansada de falar e vendo que não iria conseguir fazer João desistir da ideia, se irritou:
- Ah, sei lá, menino! Olha, já está formando fila atrás de você. Se quiser tenta assim mesmo, mas não diga que não avisei - e fica parada olhando para ele com cara de “o que você ainda faz parado aqui olhando para mim?”
Meio tonto e sem entender muito o ocorrido, lá vai João procurar uma casa para “baixar” e trocar uma idéia com os “vivos”.
                                                 
Cena 2 - Tomada 3.

Corta para o plano físico, numa casa de qualquer linha espiritualista, de uma cidade qualquer do país com pessoas comuns se reunindo para o intercâmbio entre planos.
João aguarda uma oportunidade para se aproximar de algum médium enquanto percebe, meio desconfiado, as risadas camufladas dos espíritos que organizam o local.
Meio preocupado com a possibilidade de Joana ter razão, ele se aproxima de um dos médiuns com quem sentiu mais afinidade, por julgar parecer um cara comum como ele.
Imediatamente, o médium sente uma presença estranha a ele. Não reconhece nem a identidade nem as energias. E olha que ele já tem experiência com entidades de várias linhas diferentes. Mas esse tipo de energia era novidade para ele.
Isso lhe causa uma sensação esquisita, um desconforto que ele interpreta como sendo de alguma entidade doente ou mal intencionada e, como aquele era o momento de receber os guias, começa a travar o processo.
João, imediatamente sente o baque energético. Passa então a buscar algum elo com o médium... Faz isso procurando elementos de simpatia comum na aura*** dele, percebendo, então, sem muita clareza, um símbolo, que imagina ser de alguma ordem esotérica. Ou, quem sabe, seria algum símbolo do tal do Rei Ki, de que ele ouvira falar?
Afiando sua atenção, ele nota mais detalhes, reconhece o símbolo e vibra de alegria. O mesmo, na verdade, era de um time de futebol, o Corinthians.
O médium é corintiano. E João, como bom corintiano que fora em vida e tomado momentaneamente de euforia, grita:
- Vai Curíntiaaaa!
Nesse momento, algo inesperado acontece... O médium sente um arrepio e, mesmo sem saber porque, passa a sentir afinidade com o espírito, e relaxa. O incomodo passou e agora ele se sente a vontade e começa a dar condições ao acoplamento mediúnico e sua manifestação.
Imediatamente, um membro encarnado do grupo, chamado José, se aproxima para a conversa:
- Bem vindo, irmão.
Incomodado com o “irmão”, mas de boa vontade, João estende o punho fechado para um comprimento no melhor estilo “mano”. Sem entender nada, José fica parado deixando João e o médium no vácuo, gerando um momento desconfortável.
Recolhendo a mão, João tenta novamente:  
- Opa, “firmeza”?
Meio sem graça, mas querendo parecer descolado, o interlocutor responde:
- É, bem, firmeza. Quem é você? O que deseja? Precisa de ajuda? Desculpe a indelicadeza, mas estávamos esperando o Exu que normalmente trabalha com esse médium...
- Exu? Não sei quem é, não, mas tem um cara aqui do lado olhando pra gente e morrendo de rir.
- É, deve ser ele mesmo. Já sei, você desencarnou e está mal, não é?
- Não. Estou bem. Foi tranquilo. O meu time foi campeão mundial e o meu coração corintiano não resistiu. Não poderia ter morrido mais feliz.
- Bom, então, se não está mal, nem é uma entidade muito sábia ou poderosa, e por isso não tem nada a nos ensinar, por que não deixa a gente voltar para a nossa reunião?
- Ué, mas gente comum não pode baixar?
- Olha, poder, pode né? Mas a gente está esperando palavras de sabedoria das entidades que estamos acostumados a receber aqui. Tem gente aqui precisando de uma palavra. E se não tem nada a ensinar, é melhor dar espaço para quem tem.
Com a sensação de que já ouvira a primeira frase antes, agora era João que estava se cansando de tanto preconceito. E olha que disso ele entendia, afinal, nessa última vida, a única que lembrava até então, João trabalhou de faxineiro em grandes corporações e, mais tarde, tentando melhorar de vida, fez um curso técnico e conseguiu uma vaga de atendente de telemarketing de empresa de telefonia móvel. Ou seja, sobre ser ignorado ou maltratado, o menino tinha bastante experiência.
Resolveu então brincar, inspirado pela entidade com cara de caveira que estava rindo ironicamente ao seu lado.
- Olha, quem sabe eu tenha algo, sim. Talvez algo sobre humildade. Vocês aí embaixo mal se suportam no dia a dia e, na hora da reunião, querem falar só com gente “importante”.
- Você está insinuando que não somos humildes aqui? Pois fique sabendo que somos trabalhadores do Cristo. Olha rapaz, paciência tem limite...
- Tem mesmo, e a sua parece ser bem pequena não é? Tá aí, podemos falar também sobre paciência. Aprendi bastante na última vida.
Querendo retomar o controle da conversa, o encarnado apelou para o sarcasmo:
 - É mesmo? O que você foi, algum tipo de monge?
Se sentindo cada vez mais lúcido, mas sem saber por que, João respondeu.
- Mano, de uma certa forma, era como se fosse. Nas minhas profissões, só me procuravam quando tinham algum problema, queriam que eu fizesse milagre e depois me culpavam se o milagre não ocorria. Fui lixeiro e  atendente de telemarketing e, para piorar o preconceito, ainda torcia para o Corinthians.
Enquanto me via como inferior por não ter tido acesso a educação de qualidade nem nascer em família rica, só sofri, inclusive porque, em reação, ao mesmo tempo via esses que me ignoravam como inferiores.
Foi só quando passei a enxergar em mim e no outro o mesmo valor, independente de qualquer condição financeira, de aparência, ou nome é que comecei a ficar em paz.
Quando fui lixeiro, percebi que a minha profissão tinha tanto valor para a sociedade quanto outras de maior prestígio e mais remuneração, e fiquei em paz com a atividade, mesmo achando que merecíamos mais reconhecimento e melhores condições.
Aprendi que importa menos o que a gente faz, e mais o valor que enxergamos naquilo e em nós mesmos quando estamos ali.
Nesse momento, João se sente ainda mais lúcido e com uma sensação gostosa no peito. Sente também que têm alguém que ele não consegue enxergar prestando atenção nele.
Ao mesmo tempo, o médium também sente a mesma coisa e, aproveitando que também se incomodava com as amarras e convenções que sentia limitarem o aprendizado mútuo no intercâmbio mediúnico, dá vazão máxima a João...
- Depois, como atendente de telemarketing, acabei levando esse aprendizado para as relações. Procurava tratar as pessoas com respeito, mesmo quando era maltratado, quase sempre por problemas fora do meu alcance e responsabilidade.
Só que aí, meu atendimento começou a ficar mais humano e começou a dificultar a minha presença lá, pois eles não queiram alguém assim. Queriam alguém que se portasse como uma máquina e não se importasse com a pessoa do outro lado. Como trabalhávamos muito e ganhávamos pouco, ninguém gostava daquele emprego; e eu, como aprendi a gostar, comecei a ser mal visto também pelos colegas.
Foi nessa época que o meu Timão chegou ao final do Mundial... E aqui estou.
A essa altura, mais pessoas já tinham se aproximado para ouvir a conversa e o próprio interlocutor inicial já tinha mudado de atitude, também por ver que estava sendo observado pelos outros colegas.  
- Reconheço sua sabedoria, irmão, volte sempre que quiser.
João, então, querendo se despedir em grande estilo, mandou:
- Aí! Não sou seu irmão, ok.? Aqui “nóis é mano, cértu”?
José, se sentindo como um jogador da seleção brasileira na semifinal da copa de 2014, numa última tentativa de sair por cima da lavada que levou, estende o punho fechado para reproduzir o comprimento inicial que não tinha correspondido.
E João, então no último lance, faz um sinal de “V” com os dedos indicador e médio da mão direita e, batendo essa no peito, no melhor estilo “mano da fiel”, deixa desta vez José no vácuo, e desacopla do médium, enquanto algumas pessoas pensavam ser esse algum mudra**** iniciático antigo.

Cena 3 - Tomada 3.

No setor de treinamento de incorporação da Colônia Extrafísica, Joana vê João se aproximando e, antes que ele pudesse dizer qualquer coisa, mandou:
- Então, aprendeu? Não diga que não avisei. Qual vai escolher?
- Na verdade, nenhum, moça. Foi bem legal lá embaixo. Depois, conversando com os guias espirituais da casa, me falaram que vão propor abrir mais um setor, o de gente comum, e me propuseram trabalhar aqui atendendo às pessoas também. Parece que vamos ser colegas de trabalho. “Da hora!”

Renato Soares Stella
São Paulo, 14 de janeiro de 2015.

*Renato Stella é músico, espiritualista e participante do Grupo de Estudos e Assistência Espiritual do IPPB (www.ippb.org.br).

- Notas do Texto:
* Médium - do latim, intermediário – é o indivíduo que tem a capacidade supranormal de perceber os seres extrafísicos e de servir de canal interplanos para eles se comunicarem com os níveis mais densos.
Obs.: Mediunidade – É o conjunto dos fenômenos parapsíquicos manifestado pelo indivíduo (médium) sob a influência de seres extrafísicos.
** Animismo – do latim, animus - alma – conjunto de fenômenos parapsíquicos produzidos pela própria pessoa, sem interferência externa.
*** Aura – do latim, aura - sopro de ar – halo luminoso de distintas cores que envolve o corpo físico e que reflete, energeticamente, o que o indivíduo pensa, sente e vivencia no seu mundo íntimo; psicosfera; campo energético.
**** Mudrás – do sânscrito - são os gestos simbólicos feito com as mãos, significando, literalmente, gesto, selo, senha ou chave. Provém da raiz mud, que significa alegrar-se, ou gostar de algo.

Site no Portal Somos Todos Um: www.stum.com.br/st13651
Canal Sol do Everest: www.youtube.com/soldoeverest

Postagens mais visitadas deste blog

Brian Weiss - Sobre Almas Gêmeas.

Em "SÓ O AMOR É REAL", Brian Weiss revela que cada um de nós possui alguém que nos acompanha pela eternidade. Alguém que já tivemos a felicidade de encontrar ou que está à nossa procura, porque fomos destinados, para sempre, um ao outro.

Não há coincidências no amor. "A alma do homem é como a água; vem do céu, e sobe para o céu, para depois voltar à Terra, em eterno ir e vir". O destino determina o encontro de almas gêmeas. Sem dúvida, estamos fadados a encontrá-las. Mas o que decidimos fazer depois desse encontro depende de opção ou de livre arbítrio. Uma opção errada ou uma oportunidade perdida pode resultar em incrível solidão e sofrimento. Escolhas certas e oportunidades realizadas podem trazer-nos profunda satisfação e felicidade.

Para cada um de nós, existe alguma pessoa especial. Muitas vezes existem duas, três ou mesmo quatro. Todas vêm de gerações diferentes. Atravessam oceanos de tempo e profundidades celestiais para estarem conosco novamente. Vêm do outr…

Jefferson L. Orlando: A mudança acontece de dentro para fora...

A tão esperada virada do jogo começa dentro de nós, para só assim então, colocarmos ela em prática para fora em nossas atitudes e ações.
Não existe mudança verdadeira, quando a atitude parte somente de fora.
Não se engane querendo mostrar atitudes externas que não condizem com as internas, quando o silêncio da noite chegar e no seu íntimo você acessar, no mesmo momento irá saber que tem algo ai dentro que não mudou.
Para mudar é preciso coragem, determinação, foco, objetivo, garra e principalmente a tão esperada mudança nos padrões de pensamentos.
Se acostumar com os pensamentos a que vem tendo desde criança até hoje é fácil, não precisar mudar nada e chega a ser cômodo. Sair da zona de conforto às vezes é crucial, mas quase ninguém quer sair do conforto de não precisar colocar as mãos na massa da transformação.
A zona de conforto, não é necessariamente uma área em que a pessoa esteja vivendo uma vida ótima, com um excelente emprego, uma família equilibrada, um feliz relacionamento amoroso…

Machado de Assis - Eterno parênteses em aberto...

"Você é aquilo que ninguém vê. Uma coleção de histórias, estórias, memórias, dores, delícias, pecados, bondades, tragédias e sucessos, sentimentos e pensamentos. 

Se definir é se limitar. 

Você é um eterno parênteses em aberto, enquanto sua eternidade durar." 

Machado de Assis

Site:www.soldoeverest.com.br
Site no Somos Todos Um: www.stum.com.br/st13651
Canal Sol do Everest: www.youtube.com/soldoeverest